quarta-feira, 27 de setembro de 2017

sobre construir aviões

“Empreender é se jogar de um precipício e construir um avião durante a queda” Reid Hoffman.
Essa frase, desse cara que é criador do Linkedin, me fez pensar. Querer empreender é um pouco louco. Eu nunca parei pra calcular tudo o que poderia acontecer quando pensei “vou empreender”. Aliás, eu pouco sabia sobre o que envolve a atividade.
No começo, mesmo querendo empreender, eu preferia ficar onde era seguro – não tinha percebido que não dá pra empreender sem arriscar. Não fazia questão de aceitar algum trabalho grande demais por medo, porque achava que não daria conta. Mas a gente sempre dá conta se for comprometido e no mínimo organizado.
E todas as vezes que arrisquei aceitar algum desafio... adivinhe! Cheguei viva no final, mais forte, mais motivada, querendo o próximo.
Se jogar de um precipício deve dar medo, né? Meter a cara também. Empreender também dá medo. Aliás, não me lembro de qual foi a última vez que eu tentei algo novo e não senti medo.  O medo me deixa atenta, faz eu me movimentar. E esse movimento, pra mim, é aprendizado... Aprendi a planejar os dias, organizar as tarefas, cumprir etapas do trabalho, fazer o que precisa ser feito, e tantas outras coisas que aprendo diariamente sem nem me dar conta. Apesar de ter muito o que aprender ainda, foi assim que comecei a construir aviões.
Eu ainda não sei tudo o que envolve o “empreender”. Talvez nunca saiba - considerando a loucura que é isso. Mas sei que construir um avião durante a queda é muito mais emocionante do que ficar onde é seguro, sem o vento no rosto e sem adrenalina. E o mais legal de construir o próprio avião é que ele nos leva pra outros precipícios - mais altos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário